sexta-feira, 1 de abril de 2016

Casal Iaponan Marins e Jaqueline Leite lança o CD "Um Forró Bonito"

Cantor e compositor pernambucano, natural do Recife, Iaponan Marins está lançando seu mais novo CD, ao lado de sua esposa Jaqueline Leite onde dividem o palco. Álbum contem 14 faixas com composições próprias e regravações de artistas como Ivan Ferraz, Accioly Neto, Ilmar Cavalcante, Jorge Silva, Nerilson Buscapé, Genildo Sousa e Roxinó do Nordeste. 01. Paixão (Iaponan Marins) 02. Forró Bonito (Iaponan Marins) 03. Sanfoneiro Bom (Jorge Silva) 04. Coração Enrolão (Ivan Ferraz) 05. Arroi (Iaponan Marins) 06. Eu Quero Água (Iaponan Marins) 07. Oferendar (Xico Bizerra/ Flávio Leandro) 08. Sou Vaqueiro Apaixonado (Genildo Sousa/ Marron do Forró) 09. Asas da Ilusão (Accioly Neto) 10. Assim é meu Sertão (Ilmar Cavalcante) 11. Primeira Chuvada (Iaponan Marins / Euclides Paiva) 12. Noronha (Iaponan Marins) 13. Descendo a Serra (Roxinó do Nordeste) 14. Quem Manda É Você Mulher (Nerilson Buscapé) BAIXE AQUI Contatos: (81) 99166-1304 | (81) 3078-0467

Ari de Arimatéa lança CD com participações de Alceu, Sevy e Deijinha

O sanfoneiro Ari de Arimatéa gravou o seu segundo CD da carreira. O disco foi produzido em Monteiro-PB, com 15 faixas recheado de composições inéditas e regravações de sucesso. Neste novo trabalho, o pernambucano contou com as participações especiais de Alceu Valença, Sevy Nascimento e Deijinha de Monteiro.

Admirador de Luiz Gonzaga, Ari optou por manter a tradição do forró de raiz, pé de serra autêntico. Compositor, assim como o mestre, tem sua inspiração para compor nas coisas mais simples da terra, no povo do sertão, nas belezas da natureza.

Iniciou sua participação artística como sanfoneiro, instrumentista sem voz, no entanto observou que o sanfoneiro é sempre e apenas o sanfoneiro, queria mais, começou a usar também a voz e rapidamente viu que poderia conciliar a sanfona e a voz, recebendo assim diversos elogios.

O forrozeiro foi personagem central do filme “A Luneta do Tempo” de Alceu, sendo o artista circense Severo Filho. Obra que deve estar nos cinemas em breve.

Ari de Arimatéa é destaque no filme de Alceu Valença

A Luneta do Tempo é um drama musical que utiliza mitos populares da cultura brasileira para narrar uma historia cheia de encontros e desencontros, traições e amores, crimes e castigos. Tendo como pano de fundo o sertão pernambucano – sua gente e sua cultura, o cordel, o cangaço, o cinema e o circo – A Luneta do Tempo é um drama universal carregado de poética singular, onde a realidade e o onírico se misturam revelando a alma agreste do Brasil profundo. Personagem central do Filme, Ari de Arimatéa interpreta o artista circense Severo Filho, considerado como um novo Luiz Gonzaga, é inimigo do próprio irmão, o policial Antero Filho, que confronta no picadeiro, em duelo entre a magia e a tragédia. A Luneta do Tempo Direção:Alceu Valença Classificação Indicativa:12 Duração:97 minutosco Ficha técnica Empresa produtora: Focus Films e MV Produções Produção: Tuinho Schwartz e Yanê Montenegro Roteiro: Alceu Valença Elenco: Irandhir Santos Hermyla Guedes, Servilio Horlanda Hélder Vasconcelos Ary de Arimatéia Charles Teony, Khrystal Direção de Fotografia: Luis Abramo Direção de arte: Moacyr Gramacho Trilha musical: Alceu Valença Montagem: Tuco Trilha Sonora Original (compositor): Alceu Valença Desenho de Som: Jorge Saldanha VISITE O SITE DE ARI DE ARIMATÉA

"Esse é meu Xodó" - novo CD de Antônio Paulino

Com mais de vinte anos dedicados á música, o cantor, compositor e instrumentista, está lançando seu mais novo álbum, o seu quinto CD intitulado de “Esse é meu Xodó” trazendo 11 faixas.


O CD já está disponível para download através do LINK ou pode ser adquirido aos sábados no Espaço Cultural Dominguinhos e também nos shows do cantor no preço popular de R$5. BAIXE AQUI - GRÁTIS

Antônio Paulino se destaca sempre por onde passa, pelo desempenho e o repertório dos shows, agradando em cheio o público forrozeiro. Luiz Gonzaga, Trio Nordestino, Flavio Leandro, Petrúcio Amorim, Aciolly Neto e vários outros compositores estão presentes no repertório do artista.

Em sua discográfica conta com dois DVDs, o primeiro gravado na Sala de Reboco e o segundo no Circulo Militar do Recife. Além dos quatro CDs gravados: Tempero do Amor (2004), Forró Pé de Serra vol.02 (2005), Uma Carga de Forró (2007) e Vem Me Dá Um Cheiro (2009).

Para Antônio Paulino, o objetivo de seu trabalho é mostrar às pessoas a diversidade e a riqueza dos ritmos pernambucanos, trazendo o mais tradicional forró, com uma nova cara e novos arranjos. “ É possível inovar, sem deixar de lado a tradição que abriu as portas da cultura nordestina para o mundo”, afirma.

Lista de Músicas:
01. A dor da Solidão (Riva Aguiar)
02. ABC da Saudade (Onlido Almeida)
03. Cobertor de Estrelas (Xico Bizerra/ Maria Dapaz)
04. Doidinho Apaixonado (Arlindo Moita / Dr. Luis Pereira)
05. Esse é meu xodó (Genno Melo)
06. Flecha no Peito (Jm (Vicente Barreto/ Jorge Silva)
07. Forró do Cachueira (Arlindo Moita/ Dr. Luis Pereira)
08. Gata Selvagem (Tuca Versátil/ Antônio Paulino)
09. Chapéu Quebrado na Testa (Augusto da Silva Oliveira)
10. Trem Bom (Vicente Barreto / Paulinho Pedra Azul)
11. Meus Terens (Marcelo Assis/ Lázaro)



CONTATOS PARA SHOWS:
(81) 9.8708-1037
(81) 9.9964-4884
(81) 9.8203-2063
e-MAIL: paulinhoebanda@hotmail.com


Galera Forrozeira inicia turnê em homenagem ao Gonzagão

A banda do Rio Grande do Norte está iniciando a turnê “Tributo ao Rei do Baião”, com clássicos de Luiz Gonzaga e músicas autorias da banda que está lançando o seu sexto CD.


quinta-feira, 31 de março de 2016

Sua Voz em Alta com os tubos de ressonância

Usado em cantores, poetas, locutores e todos que trabalham com a voz
Os tubos de ressonância na terapia de voz foram propostos por SOVIJARVI, um foneticista da Universidade de Helsinki, e têm sido usados desde a década de 1960 para aquecimento de cordas vocais. Um tratamento revolucionário para ronquidão, refluxo e doenças relacionadas a voz.

O uso dos tubos é indicado para maior parte dos distúrbios vocais e tem foco holístico na fonação, respiração e postura, podendo ser usados em combinação com outros exercícios.

Os resultados positivos do uso dos tubos de ressonância devem-se ao abaixamento da laringe e à firmeza na vibração das pregas vocais.

Para adquirir os Tubos de Vidros, a ET Castro Me. (Vidrarias, Equipamentos e Serviços para Laboratórios) situada no Rio Grande do Norte oferece para todo o Brasil o produto pelo valor promocional de R$50 com todos os custos de entrega e manual de instruções para obter seus resultados.

Informações: (84) 3272-4927/ 9.9944-2702/ 9.8869-3529

"Me Trocou por um celular" é o mais novo sucesso de Dejinha de Monteiro

01. Me Trocou por um celular 02. Eu Vou, pra te encontrar 03. Vai me perder 04. Sem explicação 05. Ainda Bem que você chegou 06. Mais Uma Vez 07. Museu da Solidão 08. Amor e Saudade 09. Viver de Aparência 10. Ainda É Tempo 11. Coisa do Destino 12. Eu só quero um xodó – part. Claudinho 13. Só pra você – part. Claudinho 14. Amar como eu te amo – part. Deir 15. Dou a Vida por um beijo – part. Deir 16. Enquanto houver razões - part. Deir 17 Instrumental: Feira de Mangaio Toque de Pífano Forró Peneirado Forró Xamegão BAIXE AQUI

Forró e Poesia com a Banda paraibana Os Fulano

O grupo 'Os Fulano' teve início na cidade de Santa Rita - PB, em 2009. Criados e encantados pela cultura popular nordestina, ao espetáculo da sanfona, zabumba e triângulo, os irmãos Lucas Dan, Lavínia Maria e Thiago Melo decidem levar o forró e as brincadeiras do terreiro de festa da casa do avô ao palco da vida. Na história construída com forrobodó, ciranda e côco, enfeitados com as cores dos folguedos populares, o grupo encontra elementos de verdade e essência. Trazendo à tona a figura do brincante, poeta e tocador dos bailes, o fulano é a representação da imagem de uma tradição que revela beleza na identidade coletiva, com espírito de folia viva e estampada. Do terreiro ao palco, o grupo desenvolve sua arte difundindo e celebrando a música paraibana que não tem idade. Seus festejos são sempre ricos de alegria e poesia, que toca e convida o povo pra dançar. Desde 2011, em sua nova formação, o grupo é composto por Lucas Dan (voz e acordeon), Thiago Melo (Voz e Zabumba) e Betinho Lucena (Voz, triangulo e efeitos). Em 2014, com alegria, o grupo recebe o cavaquinho de jader Finamore (Cavaquinho E voz). O grupo os fulano é vencedor do festival nordeste sim sinhô de pé de serra (FENEPS-2014) sagrando-se vencedor do nordeste. é eleito pela crítica a revelação do forró pé de serra. Curta a página Os Fulano no Facebook e tenha mais informações: https://www.facebook.com/OsFulano?ref=bookmarks Contatos: (83) 8814-4321 / (83)8702-9081 E-MAIL: osfulanopb@gmail.com

Cicinho do Acordeon se lança no mercado como "Cantor"

Alagoano radicado em Recife, Cicinho é conhecido não só por ser um grande sanfoneiro, mas também por seu trabalho como afinador de sanfonas, sendo referência nesse tipo de serviço. No seu último trabalho gravado, artista conta com um CD Instrumental que é bastante executado nas principais rádios do gênero e agora está estreando seu mais novo álbum como cantor profissional. O novo disco, intitulado "De Pai para Filho" foi produzido em seu próprio estúdio de gravação e conta com as participações especiais de Flávio José, Genival Lacerda, Ivan Ferraz, Nerilson Buscapé, Neném, Tião Marcolino, Santanna, Zé Matuto, Douglas Marcolino e Luizinho de Serra Talhada. Lista de Músicas: 01. Sabor do Beijo dela (Cicinho do Acordeon) 02. A Saudade (Tião Marcolino) - Part. Flávio José 03. Os Três desmantelados (Cicinho do Acordeon) - Part. Genival Lacedra 04. Forró Mexido (Nerilson Buscapé) - Part. Nerilson Buscapé 05. Seja Como Flor (Dominguinhos) - Part. Cezinha 06. Preciso do Teu Sorriso (João Silva) - Part. Nenem 07. Doidinho doidinho (Dominguinhos e Anástacia - Part. Tião Marcolino 08. Forrozando em Serra Talhada (Cicinho do Acordeon) - Instrumental Part. Luizinho de Serra Talhada 09. Saudade de Dominguinhos (Cicinho e Raimundinho do Acordeon) Part. Santanna 10. Saudade do Interior (Cicinho do Acordeon) Part. Ivan Ferraz 11. Vou me casar de novo (Enaldo Silva) 12. Te Cuida Jacaré (Dominguinhos) - Instrumental Part. Cezzinha 13. Paixão Sem Limite (Cicinho do Acordeon e Junior Vieira) - Part. Zé Matuto 14. De pai pra filho (Cicinho do Acordeon) 15. Olha o Rebolado que ela tem (Cicinho do Acordeon) 16. De Maceió à Fortaleza (Tião Marcolino) Part. Douglas Marcolino Instrumental 17. Numa Noite de Luar (Cicinho do Acordeon) BAIXE AQUI

Museu do Cangaço, em Serra Talhada

A Fundação Cultural Cabras de Lampião mantem em funcionamento desde 2007 na antiga Estação Ferroviária de Serra Talhada (PE), o Museu do Cangaço.

Com exposição de fotos e objetos da época do cangaço e Lampião, conta também com uma biblioteca formada por títulos ligados ao tema e um espaço multimídia, com projeção de filmes e documentários sobre o assunto, além de um palco externo, onde acontecem apresentações artísticas.

A 40 km dali, o visitante pode conhecer o Sítio Passagem das Pedras, onde nasceu Lampião, espaço vinculado ao museu.

Para conhecer o acervo, no entanto, pede-se uma contribuição. Aberto de Segunda à Sexta, das 8h30 às 12h e das 14h às 17h30. Aos sábados, apenas no turno da manhã.

>Agende Sua visita: (87) 3831.3860 e/ou E-mail: cabrasdelampiao@gmail.com

Show da Casaca de Couro atrai público cada vez maior

A CASACA DE COURO se consagra como uma das bandas mais populares do nordeste brasileiro
Com passagens, nos estados de Pernambuco, Sergipe e Bahia, a CASACA DE COURO pode ser considerada uma das grandes bandas de forró pé de serra do nordeste brasileiro, levando em conta o grande número de forrozeiros em seus shows, bem como a ótima aceitação na mídia nordestina. Cada vez é maior o número de presentes nos shows da banda e a credibilidade que a mesma conquistou nos seus 16 anos de vida forrozeira, sem nunca ter cancelado eventos ou saído da sua trajetória clássica.

Os shows no estado de Sergipe conseguiram atrair ainda mais forrozeiros que apreciam o forró pé de serra, incluindo os jovens que tem cada vez mais comparecido em um número maior cantando os sucessos da banda e se encantando com o arranjos arrojados produzidos pela Casaca em seus shows.

A CASACA DE COURO tem se preocupado em apresentar um repertório pautado no que há de melhor do forró pé de serra brasileiro, fazendo uma releitura dos clássicos de Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro com arranjos baseado em uma conversa entre o acordeon e violino que fazem todos dançarem e apreciarem uma nova roupagem para os clássicos brasileiros. Diversas vezes, muitos forrozeiros dizem adorar as músicas da banda, não sabendo estes que as músicas são de grandes forrozeiros brasileiros, gravadas na década de 60, 70, etc. A CASACA DE COURO tem este papel importante de manter viva a chama dos nossos forrozeiros que fizeram tanto por tantos.

As músicas autorais da CASACA DE COURO já são cantadas pelo grande público que tem acompanhado nossos shows, a exemplo de " Canta Casaca de Couro, Morena, Menina Faceira, A máquina de Lavar Roupas", etc.

Dançarinos da CASACA DE COURO dão show

Coreografada pela dançarina Cristiane Anjos, a CASACA DE COURO tem apresentado um grupo de dança que interpreta as músicas cantadas, envolvendo a platéia em suas apresentações, emplogando a todos que conseguem identificar a diferença e competência do Grupo.

Um dos pontos fortes do show da CASACA é quando o grupo de Dança da CASACA DE COURO desce e comanda grandes coreografias com os forrozeiros presentes que dançam, cantam e se envolvem totalmente com o show da banda.

O show é diferenciado por conseguir unificar a dança, a música e platéia numa troca de energia radiante.

Percussionista Jerimum lança o seu primeiro álbum

Um dos percussionistas mais representativos da atual cena musical pernambucana, Jerimum acaba de lançar entre amigos, um álbum que como o próprio título sugere trata-se de uma grande celebração

Por: Bruno Negromonte
Jerimum de Olinda desde criança escutava música com o pai e era costume ser colocado pra dormir ouvindo Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro. Essas experiências sonoras suscitaram no pequeno Jerimum o desejo de seguir, de algum modo, as veredas musicais já tão arraigadas em si, o que acabou o levando as mais distintas experimentações sonoras ainda na infância. Hoje, mais de vinte anos após este início, o artista é considerado uma referência na contemporânea cena música instrumental pernambucana. Ao longo de todos estes anos, Jerimum vem construindo uma coerente carreira, condição esta que o colocou no panteão dos percussionistas do seu estado, ao lado de nomes como, por exemplo, o do mestre soberano Nana Vasconcelos. Esta condição o credenciou a estar no palco ao lado de grandes nomes da música popular brasileira tal qual Geraldo Azevedo, artista de renome nacional que sempre recorre ao talento do artista olindense. Essa parceria pode ser conferida no DVD "Uma geral do Azevedo", primeiro registro áudio visual do artista petrolinense gravado no Circo Voador (RJ) e lançado em 2009. Vale registrar também, dentre os artistas da cena musical local, a parceria do percussionista à nomes como Sérgio Ferraz, César Michiles, Beto Hortiz em trabalhos que expõem toda a riqueza sonora existente na região e do país a partir da abordagem da obra de relevantes compositores nordestinos assim como também nacionais.

Atualmente, por vias independentes, Jerimum vem divulgando o seu primeiro álbum autoral, cujo título "Entre amigos", não poderia ser mais adequado à condição visivelmente presente no álbum. Neste seu primeiro registro fonográfico solo, Jerimum nãos só imprime uma marca própria que vem corroborando para o engrandecimento do seu nome, mas também mostra toda a diversidade que constitui sua música a partir de distintas parcerias, agora eternizadas neste projeto. Trata-se de um projeto onde todas as matrizes da música brasileira encontram-se de modo uníssono. Tal característica acaba por fazer do projeto algo prazeroso de ouvir, pois nessa miscelânea sonora o artista não se perde, mantendo uma coerência musical singular a partir de faixas como a ciranda intitulada “Lia”, uma bela homenagem à sua irmã e que no disco ganha os requintados adornos vocais do cantor, compositor e intrumentista Geraldo Azevedo; já no samba “Luciana”, de Jerimum presta uma bela homenagem à sua esposa. O disco segue com “Baiãozinho pra Sivuca”, composição do violonista também pernambucano Claudio Almeida, que traz a participação de Beto Hortis, na sanfona; entre outros ritmos e gêneros presentes no disco pode-se destacar o coco “Coco Moderno” que junta flauta transversal de César Michiles à batida da pedaleira em loop e o frevo “Esse é o tom”, composto por César, que no disco se transformou em um belíssimo duelo de flauta e pandeiros. Sem contar a música que dá título ao disco, “Entre Amigos”, de Charles Brown, que é a mostra mais exponencial do potencial sonoro do músico, uma vez que junta ciranda, maracatu, samba e jazz numa só faixa. Vale registrar que a ficha técnica do disco ainda conta com as participações de nomes como Fabiano Menezes, Henrique Albino, João Ribeiro, Waléria Wanda, Charles Brown e Sérgio Ferraz. O disco pode ser adquirido através da página do próprio artista aqui no Facebook.


Eis as faixas presentes no álbum:
01- Biam dhifá

02- Em sete
03- Lia (part. de Geraldo Azevedo)
04- Luciana
05- Rabeca tabla jam
06- Entre amigos
07- Baiãozinho pra Sivuca
08- Esse é o tom
09- Coco moderno


Dorgival Dantas compara Aviões do Forró com Luiz Gonzaga e recebe duras críticas

Na semana em que o Rei do Baião completou 103 anos de nascimento, foi postado no facebook um vídeo que aparece Dorgival Dantas ao lado do cantor Xand da banda cearense Aviões do Forró, fazendo vários elogios ao artista e uma declaração forte que está causando uma grande polêmica entre os seguidores do Rei do Baião. 

“Xand foi quem levou o forró onde ele nunca tinha chegado! Luiz Gonzaga, Dominguinhos, Marinês, Trio Nordestino, foram maravilhosos. Mas foi ‘Xand’ quem alçou voos mais altos.” Disse Dorgival.

ASSISTA AQUI, O TRECHO.

Na página Gonzagão Online, seguidores criticaram sua declaração e criaram a hastag ‘#descurtirdorgivaldantas’. “Deixamos de curtir a página dele. E ele faria um grande favor se deixasse de curtir a nossa! Fica a dica!!!”, afirma Marcelo Rossiter, um dos administradores da fãpage. 

A declaração tomou um grande repercussão. Ivan Ferraz (cantor, compositor, pesquisador e apresentador), foi amigo pessoal de Luiz Gonzaga e Dominguinhos criticou a atuação de Dorgival Dantas, leia:

“ O cidadão que diz um absurdo desse, precisa ler a história da Música Popular brasileira, para conhecer a importância de Luiz Gonzaga, dentro do cenário musical do Brasil. Olhe, amigo, não esqueça, Luiz Gonzaga, foi o criador do forró!... Luiz Gonzaga - O Eterno Rei do Baião, colocou o Nordeste, no mapa da Música Popular Brasileira. Aí não precisa dizer mais nada. É bom também lembrar, que o mundo conhece Luiz Gonzaga. Existe um livro com o título: "Luiz Gonzaga - O Matuto Que Conquistou o Mundo", escrito pelo jornalista Gildson Oliveira. Leia!... Vários estudiosos e pesquisadores, escreveram livros, contando a história de Luiz Gonzaga, reconhecendo a sua genialidade e o seu sucesso no Brasil e no Exterior. O resto é resultado da força de uma mídia, dominada pelo interesse financeiro. Não posso falar sobre o outro artista em julgamento, por que ainda não o conheço. Respeito o seu talento. Cada artista tem o seu valor. Entretanto, temos que reconhecer que Luiz Gonzaga e Dominguinhos, foram gênios da nossa música. Marinês - A Rainha do Xaxado e o Trio Nordestino, vozes marcantes do nosso cancioneiro popular, sem comparação. Dorgival Dantas, reconhecido compositor, cantor e sanfoneiro de sucessos da atualidade. Talvez o amigo, pensou exaltar o seu ídolo, Xandy do Aviões, e não soube se expressar. Espero ! Viva Luiz Gonzaga, o eterno Rei do Baião!!!”. 

A publicação de Ivan Ferraz já superou mais de 500 curtidas, 200 compartilhamentos e mais de 300 comentários criticando a comparação que Dorgival fez em relação ao mestre do forró Luiz Gonzaga. 

Um dos grandes jornais de circulação de Pernambuco, publicou uma nota. “Assim é de estranhar que o compositor de fuleragem music, Dorgival Dantas, afirme que Xandy, do Aviões, é o tampa do forró.”

São João da garotada é com o Arraial do Tio Bruninho

A Banda do Tio Bruninho tem se apresentado nos mais diversos eventos relacionados ao público infantil, lançamentos, aniversários e shows.

Os shows tem duração de uma hora e a interação com as crianças é intensa. O show conta com um repertório repleto de canções da cultura popular e brinquedos cantados.

Os músicos são profissionais formados em música e renomados professores da cidade do recife, tendo eles tocados com os mais importantes artistas do Estado de Pernambuco.

Listas de Músicas do CD - Arraial do Tio Bruninho

01. O São João Chegou (Bruno César)
02. A Linda Rosa Juvenil (Domínio Público)
03. Aprenda ou Prenda (Climério de Oliveira)
04. Ciranda do Anel / Pai Francisco (Bia Bedran / Canção Popular)
05. Dona Pata (Mateus Leal e Júlio Leal)
06. O Peixinho (Bruno César)
07. O Pôney (Bruno César)
08. Tomatinho Vermelho (Truco 6912)
09. Bicho (Xico Bizerra / Roberto Cruz)
10. Festa de Três (Xico Bizerra / (Bruno César)
11. Relojinho do Peito (Junior Vieira)
12. Borboletinha / O Sapo não lava o pé / Atirei o pau no gato (Domínio Público)
13. Pula Canguru (Bruno César)
14. O Curupira (Bruno César)
15. Xote do Saci (Bruno César)
16. Rock da Família Aranha / Zé Bochecha/ Elefantes da Teia de Aranha (Bruno César / Domínio Público / Domínio Público)

Escute a faixa 01 do CD:


Os CDs do Tio Bruninho estão à venda na Passa Disco (Shopping Sítio da Trindade – Estrada do Encanamento - Recife) ou pelo site: www.tiobruninho.com

Shows e Eventos: (81) 9996.3169/9212.3195/9630.1900
email: tiobruninhocanções@hotmail.com

Paulinho do Acordeon

Paulo Joaquim de Santana é conhecido em todo o Brasil e também internacionalmente como PAULINHO DO ACORDEON, por ser ele o artista que possui a original sanfona branca que pertenceu a Luiz Gonzaga.

Recebeu incentivo do seu pai na área musical começando a tocar sanfona aos treze anos de idade em diversas apresentações pelo Nordeste afora. Residiu toda a sua infância no Alto São Sebastião, em Limoeiro, de onde tem as melhores recordações, saindo já na sua maior idade com muitas saudades para enfrentar grandes palcos.

Tem sido referência para a nossa cultura musical em todas as mídias. Na imprensa, tem elevado as cidades por onde se apresenta e perpetuado a nossa cultura musical mostrando o melhor do forró pé-de-serra.

É possuidor do maior símbolo do rei do baião, a sanfona branca, e com esta tem participado de apresentações que concentram os maiores nomes dos seguidores gonzaguianos.

Atualmente é contribuinte do Projeto Música e Vida onde pessoas de todas as idades recebem oficinas de música, aprendendo a cantar e tocar instrumentos musicais.

SITES DE PAULINHO DO ACORDEON

SITE OFICIAL

PALCOMP3

REDES SOCIAIS:

FACEBOOK

TWITTER


CONTATOS PARA SHOWS:

(81) 9693-1626 (TIM)
(81) 8206-8071 (VIVO)

e-mail: paulinhodoacordeonpe@hotmail.com

Raminho do Acordeon - Um batalhador pelas raízes da nossa cultura

Nascido em Ipojuca, Raminho do Acordeon veio morar no Recife criança e influenciado pelo pai, foi tomando gosto pelo forró. Ainda adolescente, aprendeu a puxar o fole da sanfona, doada pelo seu pai, e como admirador de Luiz Gonzaga, começou a fazer apresentações cantando as musicas imortalizadas pelo Rei do Baião. 

Foi descoberto pela Banda Maia e daí por diante muitas celebridades do forró passaram pelo seu caminho, como o próprio Gonzagão, Dominguinhos, Arlindo dos 8 Baixos e tantos outros. Atuou ao lado de Alcymar Monteiro, Novinho da Paraíba e Israel Filho, só para citar esses de muitos outros. 

Algumas de suas apresentações mais importantes foram no Festival de Inverno de Garanhuns, no Clube Português, Sala de Reboco e Clube das Pás. Com três discos gravados “Conflito de Amor” com várias composições de sua autoria e de alguns parceiros, gravado em 1995, “Saudade do Rei”, uma homenagem ao saudoso mestre Luiz Gonzaga, com canções do Rei do baião e músicas de sua autoria e o seu mais recente trabalho homenageia a cidade de Itapissuma.

Sanfoneiro, cantor, compositor e produtor artístico, Raminho do Acordeon está na lista dos melhores interpretes do genuíno forró pé de serra e um batalhador pelas raízes da nossa cultura popular.

E-MAIL: raminhodoacordeon@hotmail.com
CONTATOS: (81) 3493-2703 / 99962-1377 / 98712-7657

Artistas de Camaragibe lançam o Forró Baião

O Forró Baião é uma banda formada predominantemente por artistas camaragibenses que se propõem a divulgar dentre muitos gêneros o forró e o baião como algo inovador, unindo diferentes correntes estéticas, apresentando na execução de suas músicas elementos que tem como base o os demais gêneros que dialogam com os ritmos nordestinos inspirados na cultura musical do nordeste.

A banda apresenta em seus shows uma sonoridade que contagia e mobiliza o corpo pelo fato de ser essencialmente rítmica. Cada show tem duração média de 01 hora a 01 hora e 30 minutos, sendo o repertório composto por músicas do Rei do Baião e seus parceiros, de seu grande súdito, Dominguinhos, que compôs vários sucessos com a recifense Anastácia. No repertório ainda são inseridas canções dos novos compositores da cena do forró como o norte-rio-grandense Dorgival Dantas.

Conectados com a expressão musical criada por Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira (e depois continuada por parceiros como Zé Dantas, dentre outros), o Forró Baião em suas apresentações busca homenagear e difundir a cultura musical nordestina.

O projeto Forró Baião se iniciou no São João de 2014 na cidade de Camaragibe, embora sua conexão com o forró exista bem antes, quando os músicos que hoje a compõe ainda integravam a banda Xamego Urbano.

O grupo se propõe a dar continuidade a dois gêneros revolucionários que são o forró e o baião, o projeto busca aproximar esses gêneros de outros estilos musicais e, sobretudo o público jovem, contribuindo dessa forma, com a divulgação e preservação do legado do Rei do Baião para as novas gerações.

Desde junho de 2014, quando estreou oficialmente o projeto, a banda vem realizando shows e participações em eventos das mais diversas naturezas, conquistando elogios do público em geral. Tem em sua formação atual além do trio composto por sanfona, triângulo e zabumba, vocais, pandeiro, baixo e bateria.

Atendendo as novas tendências comunicacionais o trabalho da banda pode ser conferido também nas redes sociais.

Assisão lança música e clipe com o Grupo de Xaxado Cabras de Lampião

"Os Dois Doido de Pedra" dá título ao mais novo CD de Assisão que será lançado este ano. Em parceria com o Grupo de Xaxado Cabras de Lampião, Assisão resgata parte de sua obra relacionada ao cangaço.

A música retrata o inicio das desavenças entre Lampião e Zé Saturnino. 




Novo CD da Casaca de Couro traz canções inéditas

O novo CD da CASACA DE COURO, sexto em sua carreira, vem recheado de composições autorais feitas pelo acordeonista e cantor , Joaquim Antonio, e participações especiais de compositores brasileiros que presentearam a banda sergipana com pérolas do forró brasileiro. Quando anunciado a proposta do CD autoral, a direção da banda, decidiu incluir no repertório canções de compositores que fazem história no forró pé-de-serra brasileiro como, por exemplo, Bule Bule (BA), Alexandre pé-de-serra (PB), Nerilson Buscapé (PE), Linhares (BA) e Everardo Sena (SE).

O baixista da Casaca, Kelvin Jenisson, diretor musical e do CD, apresenta uma proposta harmônica pautada na história da banda com a inserção de células do folclore sergipano aliadas ao toque erudito do violino.

A cantora e diretora da CASACA DE COURO, Lizete Feitosa, está muito entusiasmada com as canções, vendo neste novo trabalho a possibilidade de apresentar a maturidade musical alcançada nos 15 anos de forró brasileiro.

segunda-feira, 28 de março de 2016

Novinho da Paraíba lança CD "Mais Novo do que Nunca"

O novo álbum com 18 músicas, sendo três faixas inéditas: "Virei Baladeiro", "Pererê" e "Coração Vip"

Novinho da Paraíba CD 2016

MÚSICAS DO CD
01. Virei Baladeiro
02. Eu Vou Morrer
03. Pererê
04. Coração
05. Mega Sena
06. Aquele 1
07. Enchendo e Derramando
08. Chupando Dedo
09. Espora de Ouro
10. Agora vai ser pra valer
11. Sosseguei
12. Farra Pinga e Foguete
13. Balada do Vaqueiro
14. Quem se apaixonar pelo vaqueiro
15. Vaqueiro Atualizado
16. Isso cê num conta
17. Pout purri Vaneirão
18. Virei Baladeiro (Bônus)

Baixe Aqui - http://www.suamusica.com.br/novinhodaparaiba/novinho-da-paraiba-cd-2016



Governadores de Pernambuco - Breve História

O livro do escritor Jorge José Barros de Santana, lançado em noite de autógrafos no Palácio do Governo, conta a saga de líderes públicos que se notabilizaram a partir da Republica até os nossos dias. 

A obra é rica em iconografia, com fotos e documentos textuais, inclusive depoimentos dos governadores mais recentes, que expressam em entrevistas seus próprios feitos em favor do desenvolvimento sócio-econômico de Pernambuco. Um trabalho de alto valor político e cultural.

Exemplares do livro podem ser reservados pelo telefone (81) 9.9938-1351 ou pelo e-mail santos.mig@uol.com.br


Assis Guerra - poeta, cantor e compositor pernambucano

Assis Guerra, poeta, cantor e compositor pernambucano, no qual traz uma bagagem da vida noturna de 22 anos de carreira, dar continuidade e traz uma nova linguagem para o autêntico pé de serra, com uma proposta de xote, baião, forró, maracatu, coco e embolada. Faz a fusão destes ritmos com a maior criatividade e competência.

O regional funde se com o global e o baião dialoga com o xote na maior naturalidade. Mas sempre mantendo um bom gosto, fala do cotidiano, da vida do povo suburbano da cidade do Recife, usando um palavreado rústico, com seus vícios de linguagem, mantendo um nível de qualidade surpreendente, sem vulgarizar o contexto.

ASSIS GUERRA, vem com impulso de criatividade, que começa a recarregar as baterias do Recife, com grandes parceiros como Maciel Melo, Irah Caldeira, Genival Lacerda, Geraldinho Lins, Santanna O Cantador, Gennaro, Terezinha do Acordeon, Nena Queiroga e outros.

A qualidade do repertório introduz a esse movimento que a cada dia cresce e passa a ser reconhecido fora das fronteiras do estado de Pernambuco.

FORMAÇÃO DA BANDA:
ASSIS GUERRA - VOZ E VIOLÃO
ZABUMBA
PERCUSSÃO E EFEITOS
BATERIA
SANFONA
CONTRA BAIXO
GUITARRA



Pagina OFICIAL:
www.facebook.com/assisguerraoficial

"Rasteira na Saudade" - Roberto Cruz lança novo álbum

No ano em que comemora quinze anos de carreira, Roberto Cruz, lança CD autoral. RASTEIRA NA SAUDADE é o título do novo álbum do cantor e compositor bom-jardinense.

O Cd trás onze belas canções, do mais autêntico forró, todas de sua autoria e algumas em parceria. ROBERTO CRUZ é um dos compositores mais requisitados de sua geração e vive um dos melhores momentos de sua carreira. RASTEIRA NA SAUDADE reflete bem esse momento, neste trabalho, o forrozeiro se mostra muito a vontade, cantando os mais diversos temas do nosso cotidiano e mostrando que o forró continua mais vivo do que nunca, e, o melhor, se renovando cada vez mais.

Roberto Cruz é Natural de Bom Jardim, agreste pernambucano, cantor e compositor possui cinco cd’s e um dvd e já teve suas músicas gravadas por importantes nomes da nossa música, como Flávio José, Nádia Maia, Santanna o Cantador, Cristina Amaral, Nonô Germano, Edilza Aires, Rogério Rangel, Som da Terra, Irah Caldeira, Terezinha do Acordeon, Beto Hortis, Benil, Dudu do Acordeon, entre muitos outros. Como compositor participou e esteve entre os vencedores em várias edições do Concurso de Música Carnavalesca da Cidade do Recife e participou também de outros importantes festivais de música, como o Femuarte (Garanhuns) e Forraço (Natal). Venceu ainda o concurso de Frevo promovido pela Rede Globo Nordeste em 2007, tendo sua música “No pino do meio dia” sido escolhida, na oportunidade, pelo público, como a música do centenário do frevo. Em 2012 foi finalista do Concurso Nacional de Marchinhas Carnavalescas do Fantástico no Rio de Janeiro. Como escritor possui ainda um livro (Contos Urbanos e Lendas Rurais, 2011 – Edições Bagaço) lançado.

Sempre defendendo os ritmos e a cultura pernambucana, Roberto Cruz já se apresentou em grandes eventos como o São João de Caruaru, Festival de Inverno de Garanhuns, Circuito do Frio, Forrozão do Galo, São João e Carnaval Multicultural do Recife, Festival Pernambuco Nação Cultural, Projeto Viva Gonzagão, Aniversário do Recife, e outros eventos em diversas cidades de Pernambuco, bem como em outros Estados do Nordeste.



Nova música do compositor Jorge Silva

Gasolina Apagando Fogo (Pára)
Composição: Jorge Silva

Às vezes
eu tenho vontade
de pegar o que é meu
e jogar tudo fora
tentar
reconstruir a vida
longe de você
nós dois foi bom até
não ter razão viver.

Feito fogo
mm monturo molhado
insistindo
num amor fracassado
e eu tenho direito
você também tem direito
de amar de novo
e ser feliz.

Se a gente
não cuidou direito
dessa convivência
o amor acabou.

Pára
a gente
já gastou o limite
de tentar de novo
vivendo 
feito gasolina
apagando fogo
você só faz aquilo
que já sabe
que eu não vou gostar.

Pára
não vamos
creditar ao outro
as pedras no caminho
e nem
viver quebrando galho
pra manter o ninho
se os nossos frutos
já têm asas pra voar.

Pára



"Aécio dos 8 Baixos e seus parceiros" novo CD da Carreira

Natural da cidade do Cabo de Santo Agostinho, Aécio dos 8 Baixos começou a tocar sanfona de oito baixos com o seu irmão, o Mestre Arlindo dos 8 Baixos. O artista é conhecido por seu trabalho nas noites dos bares e restaurantes cabenses. 

“Aécio dos 8 Baixos e seus parceiros”, é seu quarto disco e traz 20 faixas com participações especiais de Mestre Arlindo dos 8 Baixos, Adriano, Arimatéia Xavier, Ivan Ferraz, Jasilon DêLuz, Maciel Melo, Nádia Maia, Ronaldo Aboiador, Rouxinol do Nordeste e o Mestre Camarão. 

Assisão uma lenda viva da música do Pajeú

Francisco de Assis Nogueira, com o pseudônimo de Assisão, é natural de Serra Talhada. Cidade localizada no interior de Pernambuco, conhecida como capital do xaxado. 

Assisão foi mandado para o Recife ainda muito jovem para estudar medicina mais não sentiu interesse pela profissão, regressando assim para sua terra natal para investir em seu sonho. Ainda jovem fez parte do grupo musical “Azes do Baião”, onde cantava e compunha. Seu primeiro compacto foi gravado na Rozenblit, em 1962, com quatro músicas de sua autoria. Sua fama como compositor antecedeu a de cantor. 

Em 1975, o Trio Nordestino emplacou dois grandes sucessos com Forró pesado e Esquenta moreninha, o que levou os concorrentes dos Três do Nordeste a recorrer ao talento do pernambucano no ano seguinte. No LP Forró pra juventude, de 1976, cinco das 13 faixas são assinadas por Assisão.

Entre o compacto duplo na Rozenblit e o primeiro LP se passaram 15 anos. Sua fama como compositor levou a extinta Beverly a lançá-lo nacionalmente no álbum Faz e Diz, um disco todo autoral. 

Apesar de não morar no eixo Rio - São Paulo, Assisão teve discos lançados pelas maiores gravadoras do país: RCA e EMI, e as extintas Copacabana, Chantecler e Continental. Até agora foram 48 discos. Com o recorde de 300 mil do LP Pau Nas Coisas. Só a música “Pequenininha” tem mais 250 regravações.

Elba, Trio Virgolino, Frank Aguiar e Aviões do Forró entre outros artistas nacionais foram alguns dos nomes que gravaram seus sucessos. Atualmente conta por volta de 700 músicas de sua própria autoria, Em 2012 foi lançado o DVD Assisão ao vivo 50 anos de forró reunindo seus maiores sucessos.

Dentre suas influências musicais destacam-se o maestro João Paulino que era seu familiar e muitos outros integrantes da sua família, que se responsabilizavam pelas festividades realizadas no sítio São Miguel. Local de grande movimentação cultural onde Assisão cresceu e morou por muitos anos, o lugar foi marco de acontecimentos históricos de Serra Talhada. 

Assisão recebeu diversos prêmios e homenagens ao passar do tempo, dentre eles se destacam seus quatro discos de ouro e um de prata, o Troféu Gonzagão de 2011 edição Marinês e o Troféu Asa Branca de 2009 pela dedicação as tradições culturais. Homenageado na Festa do padroeiro da cidade de Iguaracy , homenageado em 2012 na festa da padroeira de Serra Talhada, homenageado pela Universidade Federal Rural de Pernambucano Unidade Acadêmica de Serra Talhada pelos seus 50 anos de carreira e sua contribuição para música brasileira.


Arcoverde 
Assisão faz apresentações em Arcoverde a alguns anos seja no São João da cidade ou em eventos particulares. Suas apresentações sempre lotaram praças e clubes da cidade sendo sempre muito prestigiado por todos seus moradores. 

Campina grande 
Já colocou mais de 70.000 pessoas em um show em Campina Grande –PB, participa da comemoração do “Maior São João do Mundo’’ a 30 anos consecutivamente nessa grande cidade.

Serra Talhada
Assisão nunca deixou sua cidade natal onde já foi diversas vezes homenageado a última foi na festa da padroeira da cidade Nossa Senhora da Penha a “Festa de Setembro” no ano de 2012 no qual completará seus 50 anos de carreira, uma honra para poucos ser homenageado ainda em vida pelo seu trabalho e a contribuição para cultura nordestina.

O sítio onde cresceu São Miguel tem grande importância para cultura na cidade lá e um polo de eventos no período do São João e pela cultura de vaquejada onde são realizados eventos desse tipo durante todo ano. Destaca-se ainda por ter sido palco do passado histórico da cidade lá e onde reside as ruinas da casa de outro filho ilustre de Serra Talhada Virgulino Ferreira da Silva o “Lampião” figura de grande destaque para o povo do Nordeste e o Brasil no século passado, o próprio Assisão é parente dos primeiros inimigos de Lampião. 

São Paulo
Assisão lotou muitas vezes os grandes salões de festa da cidade, até hoje conhecido por lá como o ‘Rei do Salão’. 

Projeto “Forro e coisa Nossa”

Assisão e um ícone do forro tradicional o forro pé de serra, mais com o passar dos anos viu seu gênero musical perder espaço no mercado para novas tendências e modismos. Embora Assisão tenha inovado no início dos anos 90 incluindo no seu show instrumentos musicais mais arrojados como guitarra, baixo, bateria, além dos já tradicionais triangulo, sanfona e zabumba, essa nova adaptação foi um advento para o forró tradicional. 

Atualmente o forró está muito diversificado onde em sua grande maioria em nada lembra o forró tradicional de sala de reboco, pé de serra, o baião o xote o xaxado. A mudança dos tempos o passar das gerações e inevitável mais a valorização de suas matrizes e imprescindível para manter a cultura de um povo viva.

O projeto forró e coisa nossa vem com a proposta de apresenta para as novas gerações o quanto era divertido era prazeroso o forró de tempos atrás o qual sacudiu e balançou seus pais. Mostrar que pode-se se divertir dançado e cantando coisas simples que ficaram esquecidas ou foram banalizadas pela vida moderna.

Fredy e Mary Sunset

Uma mistura do forró com o arrocha e o sertanejo é o que pretende nesta nova proposta da banda pernambucana Fredy e Mary para o mercado musical. Neste novo trabalho, a banda inova em seu repertório com um estilo próprio com canções dançantes para um público eclético. 

Novo álbum traz cinco composições inéditas, sendo três próprias "Eu Tô Maneiro", "Lua Cheia em Gravatá", Não Dou mais Chance Não" e duas composições de Leonardo Luna e Abimael Gomes com as músicas "Trocando Bom Bom" música de trabalho e "Eu Tô que Tô" composta por Silveirinha. 

O CD conta ainda com sucessos de Luiz Gonzaga, Zé Dantas, Frank Aguiar, Dorgival Dantas entre outros completando as 12 faixas do disco que já está disponível para download.

BAIXE AQUI>> http://www.suamusica.com.br/fredyemarysunset


André Lins lança “Forró de Mermo”

André Lins é natural de Recife e se dedica a música vocal desde 2011. Sua formação artística concilia a dança e as artes cênicas, o que valoriza ainda mais a performance do seu show.

A inconteste riqueza da cultura pernambucana é a fonte de inspiração para muitos artistas, não se pode mensurar o tamanho dessa inspiração nem como ela consegue se transformar de um artista para outro. Tudo que é visto e revisitado torna-se algo novo através da sensibilidade artística gerando mais e mais público, e assim, perpetualizando a cultura da nossa terra.

Em seu CD “Forró de Mermo”, André Lins apresenta uma proposta sólida como resultado de uma extensa pesquisa musical que o fez passar de ouvinte para apreciador e em seguida um novo protagonista da interpretação estilística do forró.

As influências que nortearam sua história vêm dos grandes mestres da cultura regional, Luiz Gonzaga “o rei do baião” que externou seu amor pelo sertão, a delicadeza do verso de Dominguinhos, a poética de Xico Bezerra, entre outros tantos artistas consagrados que contribuíram de forma ampla e irrestrita com a música local.

André Lins participa frequentemente de shows e eventos musicais, com artistas que vivenciam o forró e mantém o destaque deste estilo na cena local. Em 2015 consegue concretizar o sonho de deixar registrado o resultado da proposta musical em que acredita. 

O público poderá conferir em seu show ao vivo toda cenicidade, maturidade expressiva e sensibilidade vocal em todas as canções que este artista interpreta. Obras já consagradas são singularizadas através de seu timbre, sotaque e personalidade musical.

Quando se fala em cultura, na expectativa de deixar um legado, entende-se que será feito com requinte e cuidado, por um artista que respeita aqueles que já ficaram marcados na história, valorizando a todos e não apenas o seu próprio nome. Este é André Lins.

Contatos para Shows: (81) 9.9980-0690 

Facebook: https://www.facebook.com/andre.lins.9674





Genival Lacerda lança clipe com a música "Me Dê Seu Wifi"

Toda irreverência de Genival Lacedra está presente no clipe “Me Dê Seu Wifi” nova canção de trabalho, que foi lançado nesta quinta-feira (03) no Youtube. 

O clipe foi gravado no Restaurante Maria Maria em Jardim São Paulo e produzido por João Lacerda seu filho e Italo Monteiro da ProRec.

O videoclipe conta também com as participações especiais do radialista o Véio Abidoral e do casal de dançarinos Américo e Albanita que está sempre presente nos shows do Rei da Munganga.

Assista Aqui: 

Relembrando Accioly Neto

Será em abril o relançamento, pela Passa Disco, do álbum “Meu Forró”, de Accioly Neto. O disco foi produzido em 2000 por Robertinho do Recife, uma semana depois da morte do compositor. 

O goianense José Accioly Cavalçante Neto faleceu aos 50 anos de idade, vitima de um aneurisma. Algumas de suas composições foram gravadas por cantores famosos, como Fagner e Elba Ramalho. 

Accioly atuou nos anos 90, participando de festivais e de movimentos em apoio ao desenvolvimento do movimento Forrozeiro no País. 

JORGE DE ALTINHO - NATIVO

Um regresso à tradição dos ritmos nordestinos. É essa a minha proposta com o CD "Nativo"
No início da década de 80, quando comecei a cantar, conversei com Luiz Gonzaga, nosso mestre, e disse que queria inovar no forró, aproximar mais a música regional da juventude, do meio urbano, além do rural que já era público cativo. Ele era meio "pé atrás". Mas não questionou quando viu o resultado, tanto que gravamos juntos e fizemos música em parceria. Foi a época que começamos a ouvir com mais frequência arranjos de músicas de forró com instrumentos de sopro e guitarra, por exemplo. Eu tive a oportunidade de popularizar algumas tímidas tentativas que já tinham sido feitas, inclusive pelo próprio Gonzaga que, antes de mim, já tinha aderido à bateria e ao baixo, e por Jackson do Pandeiro, usando clarinete.

Quem acompanha os 35 anos de meu trabalho percebe a fidelidade à base dos ritmos nordestinos, marcada por sanfona, zabumba e triângulo; assim como aos arranjos harmoniosos; às letras românticas e referências regionais. Depois desse tempo, com o surgimento de novas propostas e, percebendo o risco de perdermos a referência da nossa autenticidade, estou retomando o começo da estrada, sobretudo para lembrar de quem somos herdeiros e que herança vamos deixar para as novas e próximas gerações.

Já repararam que, nas festas, as pessoas estão dançando cada vez mais sozinhas? Então, os xotes do CD são um convite para dançar juntinho. As letras falam do romance, paixão, separação. E dois compositores me ajudaram a tratar disso: Marquinhos Maraial (Abençoado/Minha Maria) e Jorge Silva, com que compus (Apagando Fogo).

"Briga à toa" é a mensagem mais simples entre todas:
Se você quer voltar pra mim / Tem que me dizer agora

Compondo, me peguei relembrando outros sucessos:
Sou feliz / Porque você voltou pra mim... e Se o povo falar, falar / Nem ligue, nem ligue / Deixe o povo falar...

Das 12 faixas, 10 são inéditas. "Linda" foi a regravação por teimosia, um reforço à valorização da mulher. Não é possível que a mulher goste de ser destratada, como vemos em certas músicas hoje em dia! Além dos xotes, tem forró, baião e samba de matuto (ou samba de latada). Em "Filho do Cariri", tentei descrever alguns elementos da vida de quem nasce e permanece no interior semiárido porque ama seu lugar. "Luiz, Sertão, Saudade" é a saudade de Luiz Gonzaga, que eu tinha gravado em DVD, em 2013, mas era country, sobressaindo arranjos de guitarra. Agora, a música ganhou a cara de "ti Luiz". Era assim que eu o chamava com muito carinho.

Para encerrar, um instrumental, título do CD "Nativo", feito por mim e tocado pelo sanfoneiro Luizinho, de Serra Talhada/PE, um garoto, desses em quem a gente deposita a esperança da continuidade de um trabalho caprichoso e fiel. Cheguei pra ele disse: vamos lembrar o fole de oito baixos e um forró que não é de sua época, mas você sabe como é; quando se dançava a noite toda, molhando o terreiro por causa da poeira e o sanfoneiro dava conta mesmo com uma sanfoninha pequena.

Espero que gostem, vivam, revivam...