domingo, 11 de outubro de 2020

Artista de Rua: o violinista Hiago Cruz

 


Hiago Cruz é violinista, músico itinerante em transportes públicos, que vem se adaptando ao atual momento enfrentado no País. Seu repertório musical é variado e agrada a todos que param para ouvi-lo. Hiago já percorreu cidades como Olinda, Recife, Camaragibe, Paulista, Moreno, esbanjando a beleza e harmonia do seu violino. Agora, durante a pandemia, tem se apresentado no estacionamento de um supermercado da Zona Norte, como também em condomínios, nos quais as pessoas ficam de suas casas, assistindo à apresentação.

Como todo trabalhador itinerante, carrega nos ombros não só seu instrumento de trabalho, como também uma família; sua mulher, e três filhos : Moisés, 1, Ana Rita 3 e Maria Luiza, 6. Para sustentá-los, Hiago também faz lives em seu Instagram, @hiagocruzoficial, e conta com a contribuição espontânea de quem se sentir tocado pela sua música, trabalho e história.

O momento enfrentado pelo País demanda cuidados, mas também pede por solidariedade. Para contribuições, segue a conta de Hiago Cruz:

Banco: 336 – Banco C6 S.A.
Agência: 0001
Conta Corrente: 1735400-5
CPF: 104.438.534-01 

    

WhatsApp (81) 98488-8545

 

Com Informações:  Letícia Sarinho.

Ivan Ferraz comemora 20 Anos do Programa Forró, Verso e Viola

 


Forró, Verso e Viola” são três ícones da cultura popular do Nordeste. O FORRÓ representa os ritmos genuínos do cancioneiro regional – baião, xote, xaxado etc.; o VERSO representa a literatura de cordel e a VIOLA é o instrumento típico presente nos diferentes grupos musicais da nossa região.  “Forró, Verso e Viola” é, também, o titulo do programa radiofônico criado pelo radialista, compositor e cantor Ivan Ferraz, que no dia 01 de outubro de 2020 está completando 20 anos, apresentado pela Rádio Universitária 99.9 FM, merecendo uma audiência qualificada da grande maioria dos artistas e adeptos da musica regional, sempre divulgando as criações de compositores e intérpretes do gênero, sem qualquer interesse comercial. 

O programa “Forró, Verso e Viola” continua a exercer o seu papel de difusor da cultura popular nordestina, sob o comando de Ivan Ferraz, através da Rádio Universitária 99.9FM.  O forrozeiro Ivan Ferraz tem sido alvo de homenagens, em reconhecimento pela sua luta em defesa dos artistas e da nossa musica regional através do já mencionado programa radiofônico. 

 

HISTÓRIA DE IVAN FERRAZ

Ivan Ferraz é o nome e sobrenome de um pernambucano, nascido em Floresta (PE), que desde a infância conviveu com a musica, já que sua avó e sua mãe tocavam bandolim.  Com pouco mais de 10 anos de idade assistiu a um show de Luiz Gonzaga.  Foi o bastante para aquele menino se interessar pela musica nordestina, passando a pesquisá-la com muita intensidade até os dias de hoje.  Em 1970, já morando no Recife, formou-se em Comunicação Social.  Cinco anos depois concluiu o curso de Radialismo e foi trabalhar no Departamento de Divulgação da extinta Fábrica de Discos Rozenblit – a única do  Norte-Nordeste do País.

O garotinho que conheceu o “Rei do Baião” com 10 anos de idade, passou a viver mais próximo de grandes nomes da musica regional, como o próprio Gonzagão,  e mais   Jackson do Pandeiro,  Capiba,  Luiz Queiroga, Jacinto Silva, Rui de Moraes e Silva,  os Irmãos Valença e os maestros Duda e  Edson  Rodrigues, entre outros.  Em 1977, gravou um compacto na própria Rozenblit, cantando o seu primeiro xote - “Riqueza do Sertão”. Daí por diante, Ivan participou de muitas gravações. Hoje, tem 9 LPs lançados por gravadoras de âmbito nacionais (Rozemblit-PE, Copacabana – SP, Chantecler –SP, Polygram-SP e Polydisc – PE), 11 CDs e 1 DVD gravado no Teatro de Santa Isabel no Show Baião dos Dois – Homenagem à Luiz Gonzaga e Zé Dantas. 

Ivan Ferraz fez carreira brilhante como comunicador no rádio e na televisão, sempre enaltecendo a musica regional.  Estreou com o programa “O Forró de Ivan”, na Radio Capibaribe.  Em seguida, apresentou “Nordeste, Poesia e Forró”, na extinta TV-Tropical, hoje chamada TV-Pernambuco, do Governo do Estado. Esse mesmo programa passou a ser chamado “Forró, Verso e Viola”, que ficou como sua marca definitiva. 

Emoções na longa carreira foram inúmeras. A mais significativa foi quando foi homenageado por Luiz Gonzaga e com ele cantou num show na AABB, na cidade de Serra Talhada.

Em outubro de 2000, o programa “Forró, Verso e Viola” estreou na Radio Universitária FM (99.9), Emissora da Universidade Federal de Pernambuco, onde continua no ar, de segunda a sexta-feira, a partir das 16h, sempre divulgando toda a diversidade da cultura nordestina.  O programa também pode ser acompanhado pela Internet no site https://www.ufpe.br/ntvru ou pelo Youtube .

Acesse Também: http://ivanferraz.blogspot.com.br/

 

 

ARTISTAS FALAM SOBRE OS 20 ANOS DO PROGRAMA. CLIQUE AQUI!

domingo, 6 de setembro de 2020

Márcia Lima: um show de forró e simpatia

Ela poderia ter escolhido outro gênero musical para aproveitar sua voz personalíssima e toda sua simpatia, mas preferiu se dedicar ao forró. Isso para uma paulistana não é coisa muito natural.  Radicada atualmente em Arcoverde (PE), Márcia Lima começou como vocalista de banda, gravando 04 CDs e um DVD, além de inúmeras participações em programas de Rádio e Televisão. Foi destaque no Festival de Novos Talentos da Musica Popular Brasileira, realizado em São Paulo.        

Depois de sete anos como vocalista de banda, em 2008, Márcia resolveu enfrentar a carreira solo, no que deu muito certo, com a sua banda se apresenta em eventos públicos e casas de shows de todo o País.  Aqui no Nordeste ela já realizou shows na “Sala de Reboco”, “Casa da Rabeca”, “Bodega do Veio”, “Bar do Caboclinho” e no “Azulzinho”.    

Com muito talento, traquejo de palco, voz harmoniosa e muita interação com o publico, Márcia Lima vem se destacando como uma das mais promissoras forrozeiras da região, graças principalmente ao repertório de musicas que o povo gosta de ouvir para conquistar com isso e cada vez mais o aplauso do grande público.

Shows: (81) 9.9797-0980 / 9.8529-5737

Inscreva-se no Canal do Youtube

https://www.facebook.com/marcialimacantora/

https://www.instagram.com/marcialimacantora/

segunda-feira, 31 de agosto de 2020

Mestre Camarão: dedicação e amor ao Forró


Ele dedicou a maior parte de sua vida à música, sobretudo, à sanfona. Chamava-se Reginaldo Alves Ferreira, nascido em Brejo da  Madre de Deus em 23 de junho de 1940 (véspera de São João),  mas o publico o conhecia como Mestre Camarão. O apelido foi dado pelo compositor e amigo Jacinto Silva, pelo fato dele ter as bochechas do rosto um tanto avermelhadas.  

Camarão apaixonou-se pela sanfona porque conviveu com ela dentro de sua propria casa. Sen pai, o sanfoneiro Antonio Neto, tinha uma sanfona de 8 baixos, com a qual Camaarão começou aos 7 anos de idade a puxar o fole, se aperfeiçoando  ouvindo Luiz Gonzaga e estudando os métodos de Mário Mascarenhas. Iniciou a carreira artística em Caruaru, onde tocava nas feiras e festas da região. Trabalhou na Rádio Difusora de Caruaru (hoje Rádio Jornal), onde conviveu com dois outros mestres: Sivuca e Hermeto Pascoal. Aos 18 anos conheceu Luiz Gonzaga, com quem participou de 28 gravações. Depois formou com os músicos Jacinto Silva e Ivanildo Leite seu primeiro conjunto musical – o Trio Nortista. Em 1968 criou a primeira banda de forró do Brasil – a Banda do Camarão e, ainda, a Orquestra Sanfônica de Caruaru.  Seu repertório era composto por ritmos regionais como o xote, o xaxado, o baião, o forró e o arrasta-pé.                

Mestre Camarão costumava acompanhar grandes nomes da música nordestina, como Dominguinhos, Santanna, Marinês, entre outros.  Em 1961, representou Pernambuco junto com o mestre Vitalino no primeiro aniversário de Brasília, a convite do então presidente da República, Jânio Quadros. Em 2002, foi a São Paulo apresentar-se no projeto “Sanfona Brasil”.  Em 2004, participou do projeto “O Brasil da Sanfona”. Em 2012, participou do centenário de Luiz Gonzaga em Exu (PE). A partir de 1980, Camarão passou a residir  no Recife, onde ministrava aulas de sanfona na Escola de Acordeon de Ouro, fundada por ele e localizada em Areias. Foi homenageado no São João de Caruaru em 1999 e de Recife no ano de 2007. Camarão obteve o título de Patrimônio Vivo de Pernambuco em 2003. 

A discografia é composta por 18 vinis, quatro 78 rpm, seis CDs e um DVD que foi registrado em show na Cachaçaria Carvalheira, em 2013, com as participações especais de Beto Hortis, Thaís Nogueira, Geraldinho Lins, Josildo Sá e o filho, Salatiel, fizeram participações.

O Mestre Camarão morreu na manhã do dia 21 de abril de 2015, aos 74 anos. Seu corpo foi velado na Camara de Vereadores do Recife e de, Caruaru, sendo enterrado no cemitério Dom Bosco na Capital do Agreste. 

 


quinta-feira, 30 de julho de 2020

Adilson Ramos: um carioca apaixonado pelo Recife


Ele não é pernambucano, mas é como se fosse. Conheceu o Recife quando veio fazer seu primeiro show e se apaixonou pela cidade. E  foi tão grande a paixão que veio morar definitivamente na capital de Pernambuco em 1982, depois de se tornar um artista consagrado em todo o Brasil com musicas como “Sonhar Contigo”, “Olga”, “Fim de festa”, “Leda”, “Só liguei porque te amo”  “A chuva me lembrou você”, “Duas flores”, “Solidão”, e  tantas outras.

Adilson Ramos de Ataíde nasceu no Rio de Janeiro em 1945 para ser o cantor e compositor Adilson Ramos. O gosto pela musica começou aos 9 anos de idade, quando ganhou do pai uma sanfoninha. Ainda menino,  participou de um concurso de calouros num parque de diversões de um subúrbio carioca.  Ganhou em primeiro lugar. Na platéia estava um  produtor de televisão que o levou para uma apresentação no programa “Clube do Guri”, da extinta TV-Tupi.  Ficou contratado da Emissora por dois anos. Participou em seguida de um grupo chamado “Os Cometas” e em 1960 iniciou sua carreira solo, quando gravou a musica “Sonhar Contigo”, que ainda hoje é cantada em todo o Brasil.

Em 1963, Adilson veio pela primeira vez ao Recife para fazer uma  série de programas na TV Jornal do Commercio. Apaixonou-se pelo público pernambucano, que já era apaixonado por ele. Em 1966 Adilson se casou e foi, aos poucos, abandonando a carreira artística. Passou a ser empresário no ramo de móveis domésticos. Depois de um show que teve que fazer meio forçado numa cidade do Rio, Adilson passou a conciliar a atividade artística com a de empresário, até que em 1982 veio fazer um show para um político pernambucano. Daí prá frente não teve mais sossego. Passava metade do mês no Rio de Janeiro  e a outra metade no Nordeste. Em 1982 veio morar no Recife, abandonando a fábrica de moveis e passando a ser dono de uma padaria no bairro de Boa Viagem. 

A música de Adilson mexe com os corações dos que já passaram dos 60. Muita gente guarda, com carinho, o DVD que ele gravou no Classic Hall para comemorar os seus 45 anos de sucessos, com a participação de Agnalo Timóteo, Elymar Santos e seu filho, Cristian Ramos.  Simpático com o publico, Adilson Ramos  nunca deixou de lotar as plateias por onde se apresenta. Entre as emoções que a carreira lhe proporcionou cita uma vivida em Paris, quando passeava com a família e avistou um carro tocando “Sonhar Contigo”, a música que é a sua maior criação.