DESTAQUE

Bandas que fazem história na música de Pernambuco

Impulsionadas pela explosão do rock no mundo, na década de 60, grupos musicais foram surgindo em Pernambuco para atuar no Rádio e na TV. ...

quarta-feira, 27 de maio de 2020

Sesc disponibiliza partituras musicais


O SESC Partituras está disponibilizando um acervo de 2,894 obras de 319 compositores de musicas clássicas e contemporâneas para músicos e pessoas que tenham vocação musical. Uma iniciativa muito boa, principalmente nesse período de isolamento social, quando há necessidade das pessoas se ocuparam com algo útil para fazer. 
       
As obras podem ser indexadas por formação ou por instrumentos. Há formações solo, trio, quarteto, sexteto, banda de musica e orquestra de cordas e de câmara. Instrumentos são mais de 50. Entre os mais comuns, guitarra, violão, contrabaixo, voz, flauta e piano.
        
O acesso pode ser feito através do site: www.sesc.com.br/portal/site/sescpartituras/home/inicio

domingo, 24 de maio de 2020

Alcides Teixeira: um fenômeno de popularidade do Rádio de Pernambuco

Na historia do Rádio e da TV de Pernambuco, nos idos dos anos 50, um nome ficou gravado na memória de todos que viveram a sua época: Alcides Teixeira. Foi tão admirado pelo publico que alcançou uma consagradora votação para deputado estadual. 
          
Nascido em Alagoas, Alcides  adotou o Recife como sua pátria. Trabalhou na Rádio Clube e na Rádio Jornal até chegar à TV. Seu programa era dirigido ás classes sociais menos favorecidas. Possuído de um espírito filantrópico, Alcides Teixeira costumava visitar os bairros proletários para entregar cadeiras de rodas, máquinas de costura, óculos, alimentos, procurando conquistar,  dessa forma, a admiração de suas ouvintes, que ele chamava de “vovozinhas”. Foi líder absoluto de audiência tanto no Rádio como na Televisão.   No dia do seu falecimento milhares de pessoas foram às ruas para acompanharem o féretro, que saiu da Assembléia Legislativa até ao Cemitério de Santo Amaro.
           
Alcides Teixeira se expressava de forma simples e objetiva e era compreendido pelos mais humildes. Ele era uma pessoa educada, sempre preocupado com o social e dava muito valor ao artista que se apresentava
em seus programas.  Pode-se dizer: um fenômeno como comunicador popular.   

sexta-feira, 15 de maio de 2020

Teatro Santa Isabel: Um marco na história das artes em Pernambuco

Maio de 2020. O Teatro Sana Isabel completa 170 anos de existência. Um marco na Historia das artes em Pernambuco. Localizado no centro da cidade do Recife, ladeado pelo Palácio da Justiça e pelo Palácio do Governo, na Praça da Republica, o Santa Isabel é um exemplo da arquitetura neoclássica do Século 19. Nas suas instalações ocorreram episódios importantes da Historia do Brasil.  O teatro recebeu visitantes ilustres como o Imperador Dom Pedro II, foi palco da campanha abolicionista de Joaquim Nabuco e nele o poeta Castro Alves conheceu o seu grande amor Eugenia Câmara.           

Foi o primeiro teatro brasileiro projetado por um engenheiro civil - Louis Léger Vauthier. A idéia de construir a obra foi do então presidente da província de Pernambuco, Francisco do Rego Barros, barão, visconde e depois Conde da Boa Vista. Durante todo o tempo da construção foi chamado de Teatro de Pernambuco. Só pouco antes de sua inauguração em 18 de maio de 1850, o seu nome foi mudado para  Teatro de Santa Isabel em homenagem à Princesa Isabel, filha do Imperador Pedro II.              

O teatro já passou por várias refomas, inclusive uma em 1869 quando um incêndio quase o destruiu.              

Em 1949 foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), como propriedade da Prefeitura do Recife. Em  2000 foi iniciada uma outra reforma que exigiu intervenções para assegurar a preservação do prédio, retomar algumas feições originais, dar mais segurança aos seus freqüentadores e mais espaços e recursos para a realização dos espetáculos.          

      

O Santa Isabel é um monumento que atrai turistas e tem sido palco de importantes encenações no âmbito das artes clássicas e populares, sendo considerado um patrimônio estimado por todos os pernambucanos.

 


Bandas de música já fizeram muito sucesso no Rádio de Pernambuco


Nos anos 50 e 60, as bandas de música exerciam muita influência junto às populações das cidades do interior. Muitas delas se tornaram famosas na época, exibindo-se em praças para um público sempre numeroso.


Aproveitando essa popularidade o produtor e radialista Luiz Maranhão Filho criou o programa “Salve a Retreta”, a principio na Rádio Tamandaré. Sete anos depois o mesmo programa  passou  a ser apresentado pela Rádio Jornal do Commercio, nas noites dos domingos. Tratava-se de um grande concurso de bandas musicais de educandários e órgãos públicos das cidades interioranas. As bandas executavam dobrados, hinos e música popular.         

“Salve a Retreta” reforçava a programação da Rádio Jornal e procurava manter a audiência da Emissora no interior do Estado, já que a Televisão despontava na capital e conquistava mais e mais a preferência do grande publico.