segunda-feira, 19 de agosto de 2019

Seu Rogério: contrate para seu evento


Nascido em 11 de agosto de 1974 na cidade de Recife / Pernambuco, SEU ROGÉRIO começou a carreira musical aos 15 anos de idade, quando participou como cantor da Banda ADVANCED CREW, formada por ele nos vocais, MAX PINA e CAMILO CAVALCANTE (hoje cineasta, diretor do filme “A HISTÓRIA DA ETERNIDADE”) nos teclados. Foi também neste período que Seu Rogério atuou como ATOR PRINCIPAL do curta “CÁLICE”, do seu companheiro de banda e então estudante de jornalismo CAMILO CAVALCANTE.
No final dos anos 1990 e início dos anos 2000, Seu Rogério experimentou um período na música evangélica protestante, mas foi na Banda Sete que ele traçou sua musicalidade quando a Banda se consolidou no forró pé de serra, fazendo shows nos eventos evangélicos.
Questões pessoais levaram Seu Rogério a morar no sudeste do país, na cidade de Uberlândia / MG. Lá ele estudou piano com a professora Sandra Brauner, quando em 2013 aperfeiçoou-se no Acordeom com Lucas, da Escola Dedilhando.
De volta a Pernambuco em 2014, Seu Rogério prosseguiu seus estudos no acordeom e, ao final do ano de 2015, ao lado de seu produtor musical Raminho da Zabumba (Arlindo Júnior – filho de Arlindo dos 8 Baixos), Seu Rogério gravou o álbum EP PAU DE ARARA composto de canções criadas em conjunto com seu parceiro musical, Max Pina, além de regravações e músicas inéditas compositores como Noel Tavares e Félix Porfírio.
Seu Rogério, então, passou a fazer seus primeiros shows tocando acordeom no ano de 2016, apresentando-se pela primeira vez no Clube Náutico Capibaribe. Neste ano também foi lançado o primeiro vídeo clipe de Seu Rogério, com a música “Você Entrou em Meu Coração”: https://www.youtube.com/seurogerioBR .
Em 2017, durante o período junino, SEU ROGERIO fez trio pé de serra em vários arraiais da Prefeitura da Cidade do Recife consolidando sua presença no meio artístico ganhando espaço não somente durante, mas também após o período das festas tradicionais nordestinas.
Em 2018 Seu Rogério apresentou o projeto “Seu Rogério Canta Gilberto Gil”, trabalho este exibido pela primeira vez na Sala de Reboco em Recife no dia 23/03/2018, e consolidado no Shopping Tacaruna no último dia 18/04/2019.
rogerio@seurogerio.com.br | http://fb.com/seurogerio
Fone: (81) 9-8122-8685

A cultura e o talento nordestino na voz de Washington Silva

Washington Silva é cantor e compositor. Trabalha com música a mais de 30 anos, passando os últimos 15 divulgando o trabalho das melhores bandas do Recife. Formado em Pedagogia e pós-graduado em Gestão, trabalha também como servidor público na UFPE, mas sem nunca ter deixado a música de lado.
Em 2016 abre um estúdio em casa e inicia o curso de música na Escola de Artes João Pernambucano, onde estuda teclado. Incentivado pela família, também um celeiro de músicos, Washington passa a cantar e compor forró, gravando o primeiro CD com 10 faixas em 2019, tendo entre as composições o trabalho que intitula o CD, “Morena Cor de Jambo”, além de “Me dá um Beijo”. O trabalho trás ainda 3 músicas autorais e músicas de compositores pouco conhecidos no cenário musical pernambucano.
Washington Silva, carrega na sua musicalidade o autêntico forró pé-de-serra, para manter viva a cultura nordestina, buscando agradar seu público. Hoje, se apresenta em festas beneficentes além de contratos.
Contatos para show: 81-98358-8990 ou 81-99644-8360 (whatsApp)

Contrate: Forrozão Pegapakapá - Banda e Trio Pé de Serra



    
 Criado em 2000, o Forrozão PegapaKapá trás para os palcos o forró pé de serra genuinamente nordestino em suas raízes mais autênticas, por meio dos seus principais compositores e interpretes, fazendo do repertório uma das principais características misturando baião, forró e xote. O grupo conta com nove integrantes apaixonados pela cultura, unidos na voz, sanfona, zabumba, triângulo, baixo, bateria, cavaquinho e percussão lutam para manter acesa a chama do forró pé de serra e tem como maior referência Luiz Gonzaga. Com 19 anos de estrada o grupo se apresenta nos maiores eventos juninos no Nordeste e leva na bagagem 07 CDs e 02 DVDs.
CONTRATE: (81) 9.9605-8413

Vídeos:  



Músicas:
CONTRATE: (81) 9.9605-8413

Contrate: Show de Ivan Ferraz & Banda



     

Não podemos dizer que o trabalho musical de Ivan Ferraz é só um resgate do verdadeiro forró pé de serra, por que o próprio artista já faz parte desse resgate, como podemos comprovar através da sua longa jornada ao lado das figuras mais importantes do cenário da música nordestina, principalmente no ambiente do forró. O trabalho musical de Ivan Ferraz traz de volta a sonoridade conhecida das antigas gravações de Luiz Gonzaga. Trata-se de uma formação totalmente acústica, com o uso da sanfona, cavaquinho, baixo, zabumba, triângulo, pandeiro e outros, e que pode ser conferida através do seu mais recente CD.
O repertório é composto por ritmos nordestinos, assim como o xote, baião, o xaxado, o forró e o samba matuto, tendo sido elaborado de forma criteriosa, mesclando arranjos à moda antiga com alguns trechos contemporâneos. Essa mistura coerente, entre o moderno e o tradicional, respeita a essência natural do gênero, sem ferir o sotaque do autêntico forró.
Ao realizarmos uma apreciação mais localizada sobre as músicas, eventualmente percebemos vários momentos em que um instrumento se sobressai sobre os outros, criando uma atmosfera rica e atraente, por valorizar uma nova timbragem e conseguir ir mais além das convencionais sonoridades da sanfona e da zabumba. Além de toda essa diversidade musical, o show de Ivan Ferraz também traz uma poesia matuta, na sua bela interpretação, acompanhada de um fundo instrumental impecável. Agora só resta conferir esse legítimo show de música nordestina, contratando Ivan Ferraz e Banda para alegrar sua festa.
CONTRATE: (81) 9.9212-0549  

Vídeos: 
  
  


Músicas: 
CONTRATE: (81) 9.9212-0549  

Contrate: Forró Xinelo Rasgado "Trio Pé de Serra e Banda"



      
A banda de forró pé de serra Xinelo Rasgado (Forró “Xinelo Ragasdo” Pé de Serra) surgiu em 2007. Antes disso, Wellington da Silva e sua esposa, Aurineide, tocavam para amigos e em festas particulares com o nome de Chamaram Porque Quiseram. A mudança marca o início do ciclo profissional da banda, que tem origem no Recife.
Wellington, que hoje é cantor e sanfoneiro, aprendeu a tocar acordeom sob a instrução de Mestre Camarão e Marcelo de Feira Nova. Depois de se encantar pelo instrumento, comprou de um amigo os demais que faltavam para compor um autêntico pé de serra; Aurineide ficou responsável por cantar junto com ele. Desde então, o casal e seus músicos contratados — zabumbeiro, “triangleiro”, percussionista e baixista — apresentam o mais tradicional e legítimo forró nordestino. Sob a influência musical dos que consideram os 4 (quatro) ícones da cultura, são eles: Luiz Gonzaga, Trio Nordestino, Jackson do Pandeiro, Marinês, bem como, o exímio executante da sanfona o Multi-instrumentista Sivuca, os Poetas Xico Bizerra, Flávio José, Accioly Neto, Santana, Maciel Melo e Petrúcio Amorim, a Xinelo Rasgado destaca-se pela organização e os trajes dos seus membros, sempre a caráter e padronizados. 
CONTRATE: (81) 99763-3261 

Vídeos:   




 Músicas   
CONTRATE: (81) 99763-3261 whatsapp 

Contrate: Banda PKS "Forró Universitário e outros Ritmos"


    
A banda PKS teve início em abril de 2011 por Sérgio Henrique (voz e violão); KoKada ( bateria e percussão) e Paulo Moreno(baixo) tocando em bares e festas particulares. A coisa foi tomando forma e começaram a receber convites para apresentação em eventos maiores com grande público. Sempre defendendo o forró, um ritmo regional e apreciado por todo o Brasil.
"A nossa proposta de trabalho é fazer um forrozinho diferente com uma pegada legal e misturando com outros ritmos atendendo ao público de todas as idades. Aos poucos conquistando nosso espaço neste meio musical tão competitivo por conta dos inúmeros artistas do cenário musical", afirma Sérgio Henrique.
Nas apresentações, o repertório baseia-se com músicas próprias e sucessos do forró ( Luiz Gonzaga, Dominguinhos, Xico Bizerra, Gilberto Gil, Petrúcio Amorim, Alceu Valença e outros).
A banda já tem dois CDs gravados “ Lenha na fogueira “ e “ Enfrento o chão “com recursos próprios e apoio de alguns comerciantes do bairro. 
Naturais dos bairros do curado II, curado III e curado IV da cidade Jaboatão dos Guararapes/PE, pretendem atingir com esse nosso trabalho outras cidades de Pernambuco e de outros estados do Brasil. 

CONTRATE: (81) 98446-0129 

Vídeos: 
  



Músicas do CD "Enfrento o Chão"  

CONTRATE: (81) 98446-0129 

Ari de Arimatéa lança seu 3º CD

Admirador de Luiz Gonzaga, assim como todo sanfoneiro, Ari de Arimatéa optou por manter viva tradição nordestina, do autêntico forró. Iniciou sua participação artística como sanfoneiro, instrumentista sem voz, no entanto observou que o sanfoneiro é sempre e apenas o sanfoneiro, queria mais, começou a usar também a voz e rapidamente viu que poderia conciliar a sanfona e a voz, recebendo assim diversos elogios.
Já gravou dois CDs, o primeiro “Um Ensaio Diferente” gravado em 2010 e o segundo no ano de 2015 que foi produzido em Monteiro-PB, com 15 faixas recheado de composições inéditas e regravações de sucesso. Neste novo trabalho, o pernambucano contou com as participações especiais de Alceu Valença, Sevy Nascimento e Dejinha de Monteiro.
Agora está trabalhando o seu mais novo CD em parceria com o compositor paraibano Marcos Farias. Lançado em 2018, o CD "Na Batida do Baião"está tendo uma excelente repercussão em Pernambuco e em outros estados, foi indicado pelo Troféu Acinpe - Prêmio da Música Pernambucana, como os três melhores CDs na categoria Forró. E por parte da mídia vem ganhando destaques com sua interpretação nas músicas que falam do amor ao sertão. 
Para Marcos Farias, idealizador deste terceiro CD do artista, “a voz e a interpretação de Ari de Arimatéa trouxeram o timbre, a cor, a textura e o sentimento de nordestinidade que minhas músicas precisavam, para recriar e viajar no universo poético e musical do imaginário nordestino, numa fusão perfeita de criação e interpretação. Ari de Arimatéa é uma das maiores vozes do nipe nordestino atual, sem anacronismos e com autenticidade”, afirmou Farias em sua página no Fcaebook.
O trabalho foi gravado na Paraíba, com produção musical de Claudinho de Monteiro, Deir e Marcos Farias. Este novo trabalho do artista, conta com 13 faixas, sendo 09 composições de Marcos Farias e o restante de sucessos que marcaram a carreira de Ari, como "Dia de Cão" de Alceu Valença, "casa da Solidão" de Deijinha de Monteiro, "Gasolina Apagando Fogo", de Jorge Silva e "Volta Minha Menina"de Wagner Silva". Este álbum pode ser baixado gratuitamente pelas plataformas digitais.   
Ari de Arimatéa ganhou notoriedade, no filme “A Luneta do Tempo” de Alceu Valença, sendo o escolhido para interpretar o  artista circense Severo Filho.  O Filme foi veiculado em vários festivais e emissoras de TV. A drama musical utiliza mitos populares da cultura brasileira para narrar uma historia cheia de encontros e desencontros, traições e amores, crimes e castigos no sertão pernambucano.

Caju & Castanha no Grammy Latin

Quem conheceu em sua origem encontrava a dupla batendo pandeiro e cantando repentes na Praça da Independência ou no interior dos ônibus urbanos. Depois, vieram as oportunidades no Rádio e na TV até gravar o primeiro disco e seguir para São Paulo, de onde Caju & Castanha conquistaram o mundo.  
Hoje, a dupla honra a musica popular brasileira com três de suas músicas concorrendo ao Grammy Latin 2019. As músicas são:  “Sou nordestino e não nego”, “Mulher de 40” e “Mãe adorada”.  Os jurados do mais festejado prêmio da música internacional se reúnem neste sábado (10/08), em Nova Yorque.  A grande final será no dia 14 de novembro.  
Nossos votos são no sentido de que Caju & Castanha cheguem ao final, embora já tenham alcançado um lugar invejado por todos os músicos e cantores do mundo inteiro.  
  

Casaca de Couro participa do Especial da Globo Nordeste

O Centenário de Jackson do Pandeiro está sendo comemorado com a majestosa festa que o Rei do Ritmo merece em vários cantos e encantos brasileiros. A Globo Nordeste preparou um especial ao Mestre Jackson com a participação de vários artistas nordestinos que têm em Jakcson a referência musical em seus trabalhos. Em Sergipe, a CASACA DE COURO foi a selecionada para falar e cantar Jackson.
Foi com muito prazer que a produção da CASACA DE COURO recebeu o convite da TV SERGIPE, afiliada à Rede Globo, para falar e cantar Jackson do Pandeiro e músicas autorais.
Nascida em 1998 para homenagear Jackson do Pandeiro, a CASACA DE COURO completou 21 anos cantando e comemorando o centenário de Jakcson e a ótima aceitação que a CASACA tem conquistado ao longo dos anos, com shows por todo território brasileiro com sucesso de público e crítica.
A participação da CASACA DE COURO, gravada em Sergipe, foi emocionante por podermos proporcionar ao nordeste brasileiro um pouco das histórias de Jackson e CASACA DE COURO em duas vidas que se fundem para o melhor da música brasileira.

Marcelo Rossiter lança DVD #UmXote PraNoisDois

O cantor pernambucano Marcelo Rossiter lançou no seu canal do YouTube, o seu primeiro DVD GRAVADO em Recife (outubro de 2017) em resolução 4K HDR.
É o primeiro DVD de um artista pernambucano postado na mais alta qualidade de som e imagem no maior canal de vídeos do mundo.
O DVD ganhou uma nova edição de imagens e legendas, realizado pela empresa europeia, EXIMUS FILMES, que fica em Amsterdam.
O DVD em película inovadora foi gravado de forma intimista que lembra muito os especiais da MTV. Também foi o primeiro DVD de forró lançado neste formato com participações de artistas como; Petrúcio Amorim, Cezzinha, Geraldinho Lins e Cristina Amaral, Santanna O Cantador, Terezinha do Acordeon, Liv Moraes e Raphael Moura.
Lançado também em CD, as faixas estão disponíveis em todas as plataformas digitais como o Dezzer, ITunes e Spotify, Tider e Sua Música.
Regravações e canções inéditas fazem parte do repertório deste projeto, como o carro- chefe do álbum, o xote “Cadê Você”, autoria do poeta e compositor Geraldo Margela, que faleceu no início deste mês de março, decorrente a leptospirose grave.
Composições de Dominguinhos, Flávio Leandro, Climério Ferreira, Ilmar Cavalcante, e do jovem compositor Raphael Moura também compõe a obra.
Assista aqui o DVD completo:  

Bia Villa-Chan lança releitura de “Feira de Mangaio”

A cantora e multi-instrumentista Bia Villa-Chan lançou a releitura do baião “Feira de Mangaio”, sucesso na voz de Clara Nunes em 1979. A versão com características do principal instrumento da artista, o bandolim.
Para a recriação de um dos clássicos da música nordestina, a cantora inseriu um tom mais percussivo, com um mix de solos e improvisos. “Fiquei encantada com a ‘roupagem’ sonora que conseguimos inserir em ‘Feira de Mangaio’, pois ela passou a carregar um forte impacto musical, ideal para o show que realizarei no PercPan, festival percussivo que acontecerá na Europa ainda este ano”, comenta Villa-Chan. 
Escrita no fim dos anos 70 por Sivuca e Glorinha Gadêlha, que moravam nos Estados Unidos à época, “Feira de Mangaio” já foi interpretada, também, pelo próprio Sivuca, Moraes Moreira, Hermeto Pascoal e Elba Ramalho.
FICHA TÉCNICA: 
Música: Feira de Mangaio (Sivuca e Glorinha Gadêlha) 
Intérprete: Bia Villa-Chan
Voz e bandolim: Bia Villa-Chan
Contrabaixo: Bráulio Araújo
Violão e viola: Renato Bandeira
Bateria: Augusto Silva
ercussão: Gilberto Bala
Flauta Transversal: Ciano Medeiros
Direção Musical: Bráulio Araújo
Técnico de gravação e mixagem: Fernando Azula
Produção geral: Amaury Pinto Jr.
Produção executiva: Mayara Pinto
Fotografia: Verner Brenan
Maquiagem e penteado: David Rafael
Cabelos: Thiago Salviano
Música gravada no Estúdio Toca do Japi em dezembro de 2018
Videomaker: Leo Lima
Vídeo Clipe gravado no estúdio Fábrica

Geraldo Azevedo lança “Um Paraíso Sem Lugar (Ela e eu)”

Ouça aqui o novo single disponível nos aplicativos de música
Compositor com mais de meio século de carreira, responsável por sucessos como “Dia Branco”, “Táxi Lunar” e “Bicho de Sete Cabeças”, Geraldo Azevedo liberou seu single e o lyric video de “Um Paraíso Sem Lugar (Ela e Eu)”, música escrita em parceria com Fausto Nilo. 
A canção tem a assinatura melódica inconfundível de Geraldo Azevedo e foi vestida pelo arranjo sofisticado para piano, flauta e violino criado por Marcelo Caldi, que produziu a faixa. Fausto Nilo, autor da letra, esmiúça o amor secreto e proibido com a categoria de sempre: “Ela e eu / Sabemos que há um três / E algo me diz / Que ela não é feliz / Nosso amor é um segredo / Que ninguém sabe ler”, diz um trecho.
Gravada no Estúdio Umuarama, no Rio de Janeiro, “Um Paraíso Sem Lugar (Ela e Eu)” teve as participações dos músicos Fábio Luna (bateria), Pablo Arruda (contrabaixo), Carla Rincon (violino), Alexandre Caldi (flauta) e Guga Mendonça (guitarra), além de Marcelo Caldi no piano e na sanfona. O lyric video é assinado por André Menezes. 

Site ForrozeirosPE recebe título “Referência Pernambucana”

A  Associação Ressurreição Alimentando Vidas promoveu na sexta-feira, 22 de fevereiro, a entrega do titulo “Referência Pernambucana” a empresas, instituições e pessoas que participam, de várias maneiras, do engrandecimento da cultura do nosso Estado.  
A Associação, liderada pelo Presidente Patrick Barbosa, vice-presidente Helena Almeida e pelo advogado voluntário Dr. Paulo Saulo, é uma entidade sem fins lucrativos, cujo objetivo é distribuir alimentos para moradores de ruas e levar poesia e cordéis a pessoas internadas em hospitais. 
Cláudio Rocha, criador do site ForrozeirosPE, recebeu este título. "Estou muito feliz com este título, que vem para coroar a tragetória de 10 anos do nosso portal e a promoção dos artistas e eventos culturais de Pernambuco e do Nordeste. Agradeço à Patrick e Helena, por esta iniciativa". Recebeu ainda esta premiação, o Forró Xinelo Rasgado, que vem fazendo um belíssimo trabalho com a música. Confira os homenageados que também receberam o Título "Referência Pernambucana".
 

Filme gravado na Europa reverência o Forró Raiz no Nordeste do Brasil

Um novo olhar sobre o universo do forró e a dimensão do maior ritmo popular que é predominante no nordeste do Brasil, atravessa as fronteiras do país e chega até a Europa, onde lá nasce o filme “ESTRADAR”, do pernambucano e cineasta Fred Alves, radicado na Holanda.
Estrelado por Gennaro (ex-Trio Nordestino) e Fabiano Santana, cantor, instrumentista e compositor mineiro, e participações especiais de artistas do mesmo gênero, a história faz do forró , o grande protagonista deste longa-metragem filmado nas cidades de Lisboa, Porto , Berlin e Aachen. Uma obra prima da cultura nordestina realizada com financiamento privado.
Se a intenção do diretor Fred Alves foi mostrar o poder que a música tem (especialmente o forró) de unir pessoas de lugares e países diferentes, como assim também gerações passadas e a geração atual, certamente o objetivo foi alcançado.
Nitidamente conseguimos enxergar que por mais que passe por “altos” e “baixos”, o forró por não ser um modismo, como cita o mestre Gennaro no filme, ele permanece vivo e fiel a tradição que foi trazida pelo rei do baião, Luiz Gonzaga, inevitavelmente citado em uma bate-papo descontraído entre Gennaro e Fabiano Santana em um salão de barbearia no bairro de Alges em Lisboa.
Entre coversas e recortes, a música não poderia faltar na película, que já reafirma que canções gravadas a décadas atrás permanece fiel à tradição e no repertório da nova geração que vem alcançando o mundo através da arte.
O entusiasmo do jovem instrumentista e cantor Fabiano Santana, apesar do leve toque de timidez, que se perde no palco com seu instrumento nas mãos, é perceptível ao falar dos grandes mestres que o inspiraram e que certamente o levou para a estrada da música. Caminho árduo, porém que transmite verdade e amor e que teve o incentivo do pai, que lhe presenteou com sua primeira sanfona aos 16 anos de idade.
Apesar de não ter nascido no nordeste, Fabiano conseguiu absorver a essência da música nordestina, o que o faz de fato um verdadeiro amante do forró raiz, já que as tradições em solo mineiro não são as mesmas. Diferente do mestre Gennaro, que é alagoano e foi parceiro de Gonzagão, Jackson do Pandeiro, Dominguinhos e Marinês, que dispensa qualquer tipo de comentário.
O próprio Gennaro fez sua história, onde o auge da carreira aconteceu no Trio Nordestino, um dos grupos de forró mais conhecidos e respeitados no Brasil, referência do forró de canto a canto do país , que emplacou dezenas de sucessos que entraram para a história do gênero.
Nas conversas com Fabiano que poderemos contemplar na obra, Gennaro faz uma das observações mais importantes deste universo, quando diz que Luiz Gonzaga “cavou” um poço tão fundo na terra, onde a água brotou e que até os dias de hoje muitos artistas bebem desta água. De fato muitos foram os seguidores de Gonzaga, o maior ícone de uma nação chamada nordeste. Ele que cantou o seu povo e a sua terra, permanece mais vivo do que nunca, e a maior prova disto é “ESTRADAR”, que após 30 anos da sua morte, veio em forma de filme para comprovar que ainda haverá muita água deste poço, onde muitas gerações poderão beber do doce, danado e extraordinário forró. Seja em épocas de seca ou de fartura, as modas vão passando, mas a tradição e a cultura permanecem vivas! Então Viva o forró! E estejam prontos para saborear “ESTRADAR”. Eu já provei e gostei!
Fonte Gonzagão (Site gonzagao.com).


Sobre o diretor Fred Alves:

Brasileiro, e pernamcucano, nascido em Olinda(PE), o diretor Fred Alves é radicado na Holanda. Sua atuação sempre foi mais forte no mercado de produções de markting político e social.
Hoje com 41 anos e a cerca de três anos, vem trabalhando a divulgação do forró na Europa, com vídeos sobre o movimento que viralizaram na internet. Seguindo um conceito sóbrio, limpo e objetivo, ele une narrativas jornalísticas de documentário com estrutura de romance literário.
Além do envolvimento com o filme “ESTRADAR”, até a sua concepção, Fred Alves também dirige no momento o filme “Diáspora – Todos Os Sonhos do Mundo”, que ainda segue em produção na Europa.
Rede Social: @fredalves
Contato: Fred@eximius.com.br

Forrozeiro Adelmário Coelho lança música em protesto contra abate de jumentos

Os recentes casos de maus-tratos a jumentos, com registros de centenas de mortes na Bahia, levaram o forrozeiro baiano Adelmário Coelho a lançar uma música de protesto. Ele é um dos que ficou chocado com a crueldade contra os animais.
O título da canção é bem direto: “Burro é quem mata jumento”. Além de protestar, o músico reverencia o animal considerado "sagrado" por muitos nordestinos e que já foi homenageado também pelo forrozeiro Luís Gonzaga em “O jumento é nosso irmão”.
O forrozeiro se refere ao flagrante de maus-tratos a jumentos em uma fazenda em Canudos, no sertão da Bahia, na quinta-feira passada. No local, autoridades ambientais e sanitárias encontraram mais 200 animais mortos e cerca de 800 desnutridos.
O forrozeiro destacou que não é um “radical” da defesa dos direitos dos animais, “mas uma coisa como essa tem de falar, pois se Luís Gonzaga estivesse vivo, seria uma voz marcante contra isso”.
A ideia da música, conta Adelmário, veio quando foram publicadas reportagens sobre os casos de maus-tratos em Itapetinga. A letra e parte da melodia foram criadas por um parceiro do forrozeiro, Júnior Vieira, que mora em Recife.
“A provocação para ele fazer foi minha, e falei com ele porque é muito comprometido com a cultura do Nordeste, e não podemos ficar sem nossos jumentos. Nordeste sem jumento é como Austrália sem canguru”, comparou o cantor, segundo qual a música terá também um clipe, já em fase de finalização.
Para Adelmário, “a sociedade tem que lutar para que a decisão judicial possa proibir para sempre os abates”. O mérito da decisão ainda será julgado na Justiça Federal da Bahia – por enquanto, a decisão que proibiu os abates foi liminar (temporária).
“Está na hora de dar um freio nos maus-tratos. Muita gente bebeu água, carregou rapadura no lombo de um jegue. Vi isso em Curaçá [Norte da Bahia], no distrito de Barro Vermelho, onde nasci. O jumento era nossa força de trabalho”, disse Aldemário. 

BURRO É QUEM MATA JUMENTO
Santo Deus, por quê será
Que o homem, tão sabido...
Cresce o olho da ganância,
Quer ver tudo destruído,
E em nome do dinheiro
Deixa o teu nome esquecido!?
Senhor, só vim te pedir:
Me livrai da extinção!
Sou apenas um jumento
Que sirvo a qualquer cristão,
E de cristo eu sei que sou
Animal de estimação!

Mesmo em meio ao progresso
Faço um trabalho bonito,
Respeito muito meu dono,
Minha arma é o cambito,
E carreguei Jesus Cristo
De Belém para o Egito!

Meu Jesus de Nazaré,
Não me deixes levar fim!
Por que será, meu senhor
Que quem é bom, é ruim!?
Parece até que Herodes
Tá se vingando de mim!

Não uso gasolina, respeito meu amo;
Trabalho com fome, mas nunca reclamo!
Dou sangue e suor, jogado ao relento...
Eu acho que burro é quem mata jumento!

Autor: Júnior Vieira.